Validar
 
Entrada
Capela São Lourenço Imprimir e-mail
21-Mai-2008

 

 

Esta capelinha de S. Lourenço, tão pequenina encastoada num canto da ponte da Lagoncinha cujo restauro amanhã se festeja, tem historia e tem lenda.

Foi neste quadro de fé – uma pincelada rústica e devaneadora – que D. Goncinha jurou amor e fidelidade ao moço fidalgo Dom Egas Ermiges e assim havia de selar o seu amor.

No remanso paradisíaco do Ave, a moça que a lenda não diz se bonita se feia mas romântica por certo, Dona Goncinha, esperou o seu pagem, fazendo «rendez-vous» do taboleiro de seixo e granito que, sobre o rio, ligava Santarém a Braga, e lá ao fundo, no espelho das águas a sua imagem, de largos e fartos bandos, reflectia-se, sonhadora e poética.

Reza a lenda que mais longe, da banda de lá do Ave, os pagens contêm fartos tesouros encantados, enxameados por libélulas em «can-cans» dantescos e inexpugnáveis, em honra de príncipes enfeitiçados.

Está esta pequenina capela, nicho que todos veneram e a lenda mantém num ritmo romântico e encantador, ligada à historia da Ponte, que herdou o nome da nobre e abastada dama Dona Goncinha, benfeitora também do Mosteiro de Santo Tirso, e tendo-a como patrona, passou a chamar-se Lagoncinha que o passado veio a transformá-la em monumento nacional de que se orgulha Lousado e o concelho de Famalicão.

A capelinha de S. Lourenço é o «ex-libris» desta lenda romântica de Dona Goncinha e Dom Egas Ermiges – cavaleiro fidalgo, cujo sussurro amoroso parece escutar-se nas águas que, lavando as margens e os lagetos, se espreguiçam até à foz.

Lenda? História?

Não se sabe bem. Uma coisa e outra.

O povo o decorou. Acredita. Tem uma ternura especial, romanesca, quando, junto da ponte e à capelinha sente enternecido este lendário amor de D. Goncinha e Dom Egas.

   

Ver mais aqui



Jornal Famalicão nº285 -11/09/1954