Validar
 
Entrada
Capela Sagrado Coração de Maria Imprimir e-mail
21-Mai-2008

 

História da Construção da Capela do Sagrado Coração de Maria

Dizem as crónicas que certo Domingo do ano 1874, quatro Lousadenses, cujos seus nomes completos eram: Manuel Joaquim Sá Costa Reis, José Elísio Gonçalves Cerejeira, Francisco dos Reis e Manuel de Sá Pereira que, depois de terem assistido à missa dominical, celebrada na igreja paroquial (antiga) desta nossa freguesia, iniciada às 9 horas, conversavam descontraidamente e amigamente no adro da Igreja. Como deste local e o Alto do Montezelo, a distância  não deve ir além dos 350 metros, podendo de lá vislumbrar-se um horizonte extenso, correndo no seu sopé águas de dois rios Ave e Pelhe, certamente que esses quatro amigos, ao conversarem amenamente, contemplaram a beleza paisagística que do cimo desse alto se desfruta e, em uníssono, disseram que muito bem ficaria uma capela no cabeço daquele alto. Como esse desejo foi expresso por todos, imediatamente ficou decidida a construção de uma capela. Após esta acertada e piedosa decisão, ficou pendente, ou a substituir, quem deveria ser o Patrono, o seu Òrago.

Então, o circunstante Manuel Joaquim de Sá Costa Reis, levantou a sua voz, dizendo que, em sua opinião, a Capela deveria ser edificada em louvor do Imaculado Coração de Maria, opinião que foi abraçada com a maior devoção por todos os presentes. Tomada esta devota decisão, logo entre estes quatro Lousadenses foi aberta uma subscrição, todos contribuindo com a maior dedicação; depois fizeram uma reunião alargada a todos os Lousadenses, dando conhecimento das suas resoluções e dos seus desejos. Dessa reunião saiu a constituição de uma comissão eleita de promoção e de acompanhamento que ficou composta pelos Srs. José Elísio Gonçalves Cerejeira, Manuel Joaquim de Sá Costa reis, José António da Costa, José da Silva Sampaio, Manuel da Costa Campos, Joaquim Francisco dos Reis e Manuel de Sá Pereira. O José António da Costa e o José da Silva Sampaio, tomaram imediatamente o compromisso de pagarem o custo total da imagem do Imaculado Coração de Maria, ficou acordado que a direcção da obra ficava a cargo de José Elísio Gonçalves Cerejeira e marcado o dia em que a Comissão eleita sairia para a rua, a fim de bater a todas as portas, no sentido de solicitar ajuda monetária para a sua construção. Também ficou combinado que a pedra granítica necessária à sua construção viria do Castelo da Maia. Os lavradores presentes imediatamente assumiam o compromisso do seu transporte. Ficou assim idealizado o projecto construtivo e posto em cima dos carris, para poder andar com a maior velocidade possível, o que veio acontecer. O primeiro arranque foi a saída para a rua, batendo a todas as portas solicitando a todos os paroquianos a sua indispensável ajuda financeira. Diga-se de passagem e em abono da verdade, que todos contribuíram generosamente e com a maior devoção cristã. De referir que o Lousadense, António da Costa Fontes, residente na cidade do Porto, comprometeu-se a pagar o custo da Tribuna e Altar-Mor. O Comendador Manuel José Ribeiro ( Conde São Bento) pagou o custo da feitura dos Altares laterais. O Pároco de Lousado, reverendo Padre Francisco Pereira Lino, também, contribuiu generosamente com ajuda substancial e, em testamento, deixou após a sua morte, para conservação da Capela, a quantia de duzentos mil reis. O templo ia naturalmente rolando e com ele a construção da Capela,  ia crescendo e encaminhando-se para o fim. Estava-se no principio do mês de Setembro do ano de 1876, sendo dada a obra por concluída.

Organizou-se então tudo de modo a que no dia 9 de Setembro de 1876 a Capela fosse benzida e inaugurada com pompa e circunstancia, que o evento impunha. Foi o que aconteceu ! eram 9 horas da manhã, quando a hierarquia da igreja procedeu à bênção do novo templo. Muitos foguetes subiram às alturas. Estalejando e com o seu som estrondoso manifestavam a alegria do povo que estava reunido em volta da sua nova capela, as bandas de música tocavam hinos de alegria e partituras festivas e o povo dava largas ao seu justificado contentamento e assim viram coroados os seus esforços e os seus sacrifícios.

Esta em traços largos, a salutar historia da construção da Capela do Imaculado Coração de Maria, construída entre os anos 1874 e 1876.

A primeira festividade em louvor do Imaculado Coração de Maria foi feita no dia 10 de Setembro do ano de 1876. o Juiz da festa foi o Comendador Manuel José Ribeiro (Conde de São Bento) tendo contribuído para as despesas das festas com a quantia de cento e doze mil e quinhentos reis. Foi uma festa memorável. Nela participaram quatro bandas de música e muito povo das redondezas que a ela foi atraído pelo seu vasto e sedutor programa festivo.

A partir desta data, era ponto assente, todos os anos, no segundo domingo de Setembro, as festas em honra do Imaculado Coração de Maria (Festa Nova) como então era designada, fazer-se. Estão entranhadas nos sentimentos e no espírito dos Lousadenses. Eles vivem-nas devotamente, com fé e bairrismo. Rendamos-lhes as nossas homenagens e o nosso bem haja por tudo o que deixaram, até pelo seu exemplar comportamento moral, cívico e social. Se seguíssemos os seus procedimentos o mundo seria mais fraternal e mais justo e por consequência mais pacífico e harmonioso.

 

Ver mais aqui

António Máximo